Quem somos?

A Rádio Comunitária Aconchego (RCA) é uma organização de comunicadoras e comunicadores populares que mantém o funcionamento de infraestruturas comunitárias de comunicação e promove formação para coletivos nas temáticas de Comunicação Popular e Autonomia (Soberania) Tecnológica. Nossas principais ações são a produção de conteúdo radiofônico, manutenção da transmissão em FM (88,5 MHz) na zona oeste do Recife e organização dos nossos conteúdos em formatos digitais (blog, web-rádio e podcasts).

Onde estamos

Nos localizamos no prédio do Serviço Integrado de Saúde (SIS), que fica no bairro do Engenho do Meio, Recife. O SIS funciona como Unidade de Referência em Práticas Integrativas, como Programa de Extensão da UFPE e como Núcleo Comunitário de Cultura, Comunicação e Saúde. Sua organização é uma parceria entre a Universidade Federal de Pernambuco, a Secretaria Municipal de Saúde do Recife e a Comunidade.

A Rádio Aconchego participa do SIS enquanto iniciativa Comunitária, trazendo assim o tema da Saúde Integral para o nosso conjunto de eixos de trabalhos fundamentais.

Nossas ações chegam às pessoas que participam do dia a dia do SIS através de produções sobre o seu cotidiano e temas relacionados à Saúde Integral. Apesar deste grupo ser disperso por vários bairros do Recife temos uma concentração natural nos bairros do Engenho do Meio e Torrões, especificamente Sítio das Palmeiras e Roda de Fogo. É nestes bairros onde realizamos parcerias tanto política e cultural, quanto com o comércio local.

Ainda temos a transmissão FM que abraça toda a zona oeste levando nossos conteúdos, músicas e Aconchego para além da nossa vizinhança.

 

História

2014 ~ 2015

A Rádio Aconchego é um grupo que se formou após a dissolução do Laboratório de Mídias Autônomas (La.M.A.), herdando os equipamentos e se mantendo em atuação no mesmo espaço físico. A história do grupo começa em agosto de 2014 com a decisão de um dos antigos programas do La.M.A. (Você com Flor) de manter uma Rádio em funcionamento no SIS, assim foi fundada a Rádio Comunitária Aconchego e com a mudança do nome veio também a mudança do conceito a ser trabalhado, antes Rádio Livre, agora Rádio Comunitária. Apesar de mantermos as ideias e heranças do movimento de Rádios Livres decidimos dar um foco maior em nos tornarmos uma infraestrutura comunitária de comunicação.

Logo após a fundação da Rádio houve a migração completa do seu funcionamento para Software Livre. Desde então o trabalho com Tecnologias Livres e o eixo da Soberania Tecnológica ganha um destaque fundamental no nosso funcionamento.

Em 2015 inicia-se a produção de conteúdos. Nesses primeiros anos, as participantes eram principalmente pessoas ligadas ou atendidas no SIS, onde tematizavam-se questões de saúde integrativa, desigualdades de gênero e da cultura popular. Nossa principal ação era a cobertura do Fórum de Praticas Integrativas, debate mensal organizado pelos profissionais das Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (PICS), ligados à Prefeitura do Recife.

2016 ~ 2018

Apenas no ano de 2016 é que conseguimos iniciar transmissão ao vivo tanto pela FM quanto via web. Com o início das transmissões começamos a estruturar a nossa grade de programação e os programas da casa (Informativo Radioativo, Mulheres do SIS, O Melhor da Música, Pelos Olhos e Ouvidos, Poeira Criativa, Prato Cheio e outros com menor duração).

Também estivemos presentes nas ocupações de escolas de ensino médio no Recife, onde decidimos contribuir com os estudantes na forma de oficinas de comunicação comunitária e procuramos abranger uma diversidade de formatos (audiovisual, lambe, stencil, etc), empoderando às adolescentes a utilizarem sua criatividade e autonomia. Fizemos três oficinas, nas escolas Cândido Duarte, Martins Junior e Nilo Pereira.

Além dessas experiências, realizamos uma oficina sobre gênero e sexualidade com a escola Diário de Pernambuco, que fica por trás do prédio do SIS.

A partir de 2017 a Rádio participou ativamente do Fórum de Usuárias do SIS, divulgando e instigando diversas atividades como oficinas (artesanato e serigrafia artesanal), Cineclube, organização do Novembro Negro do SIS e palestras sobre saúde da mulher.

Ainda em 2018 realizamos debates, ato ecumênico e vários programas de rádio para discutirmos junto à comunidade sobre as eleições.

Em paralelo, nos mantemos em diálogo, promovendo e participando de formação com diversos coletivos (Agência Popular Solano Trindade-SP, Casa de Cultura Tainã-SP, Centro de Formação Paulo Freire, Coque Resiste, Escambo Coletivo, Kilombagem-SP, Livroteca Brincante do Pina, Rádio Caracol Jundu-ES, Rádio Mixtura-SP, Salve o Casarão da Várzea e Sítio Ágatha) sobre o tema da Comunicação Livre e Popular.

2019 ~ Atual

Seguimos participando do Conselho Gestor do SIS e estamos propondo a criação de um Fórum Comunitário do SIS como forma de abranger as comunidades do entorno e não se restringir às pessoas atendidas pelo serviço de saúde (usuárias).

Buscando dar visibilidade às ações da rádio, passamos a organizar o Botando Banca na Feira, uma intervenção na calçada do SIS que acontece junto com a Feira de Orgânicos. Neste espaço nós realizamos atividades de Rádio Aberta, diálogos e transmissão de notícias sobre agroecologia e saúde, além de montarmos uma banquinha colaborativa para vender livros, cartazes, bolsas e camisetas estampadas com serigrafia artesanal.

Na atual fase da RCA, contamos com três pessoas ativas encarregadas da gestão da grade de programação, funcionamento técnico e curadoria musical. Produzimos dois programas de Rádio da casa (Sessões Exóticas e Toca do Saci), dois em parceria com professores e estudantes da UFPE (Homo Geographicus e Prato Cheio) e nos mantemos disponíveis para coletivos interessados em produzir programas de rádio e podcasts.

Manual de Estilo

A Rádio Comunitária Aconchego tem como ideia central a construção de uma Comunicação Livre e Popular, onde produzimos e veiculamos conteúdos feitos pela e para a comunidade.

Nossa pauta constante é o direito à comunicação e à informação, democratizando-as e desconstruindo a rádio como um equipamento burguês de controle social, gerando autonomia sobre essa ferramenta e criando canal de expressão da população tirando-a do lugar de apenas receptora.

Direito à comunicação e informação para nós se relaciona tanto o conteúdo produzido e veiculado quanto ao formato técnico e organizacional utilizado para tal.

Produzimos e selecionamos conteúdo para a grade de programação tendo como referência as nossas heranças dos povos originários e africanos, a variedade de temas (política, educação, futebol, divulgação científica, saúde, sexualidade, tecnologia, arte, cultura e etc) e dando destaque a produções independentes e regionais.

Realizamos formações de introdução à programação, segurança e privacidade na internet. Além da questão do Software Livre, nós enxergamos a manutenção de uma Rádio Comunitária inserida na construção de uma internet baseada em princípios éticos e populares, negando assim a associação vulgar entre democratização da internet e acesso à mesma. A esse conjunto de princípios identificamos o termo Soberania Tecnológica.

Por fim, nos caracterizamos também por nossa forma de organização baseada na Autogestão e levamos esta forma de organização aos espaços que integramos.

Cabe deixar explícito aqui o nosso compromisso em erradicar qualquer tipo de discriminação baseada em Raça, Sexualidade, Gênero, Etinia, Condição Física, Classe, etc. Não será tolerado qualquer conteúdo ou prática discriminatória dentro da nossa programação ou nos espaços que estamos presentes. Pedimos que qualquer conteúdo ou prática considerada ofensiva seja relatada em nossos meios de contato.

Espaços que compomos

Enquanto eixo Comunitário do SIS, temos um diálogo em curso com os outros eixos (Prefeitura e UFPE) sobre co-gestão do mesmo. Acreditamos que através de um processo participativo de gestão de equipamentos do SUS podemos criar um ambiente inovador de cuidado mútuo, no qual cabe ao Estado os deveres de oferecer serviços de saúde e à população o direito à tomadas de decisões sobre os mesmos e, consequentemente, de utilização de sua infraestrutura para propor práticas complementares em saúde, cultura e comunicação.

Além das fronteiras de nossos bairros integramos as redes do Rizoma de Rádios Livres e da Red de Radios y Software Libre, onde gerimos coletivamente muitas das ferramentas digitais que usamos através dos princípios citados.

Chega mais

O blog é nossa casinha virtual, se você gostou, se identificou, tem interesse e quer construir essa história com a gente, dá um alô e aparece na Rádio para tomar um café e trocar uma ideia.

=*